Maior ponte de vidro do mundo com quase quinhentos metros é inaugurada na China

Segundo a rede estatal “CCTV”, a maior ponte feita de vidro do mundo em comprimento foi inaugurada na província de Hebei, na China. São 488 metros de extensão e ela fica suspensa a uma altitude de 218 metros.

Ela foi inaugurada em um evento que contou com a presença de cerca de três mil visitantes, que foram os primeiros a atravessar essa ponte e puderam experimentar uma incrível sensação ao passar pelo piso totalmente transparente, que liga os dois penhascos localizados no Parque Hongya. A ponte foi realizada pela empresa Bailu Group, continuando com a tradição chinesa em construir pontes de vidro, já que existem outras no país, como por exemplo a que fica no Parque Natural de Zhangjiajie e a passarela da Montanha Tianmen, que fica colada a um paredão vertical a uma altura de mais de 1.400 metros.

A ponte possui um piso constituído por 1.077 placas feitas de vidro, com uma espessura de somente quatro centímetros. Elas estão suspensas por uma armação fortificada por doze cabos, que apresentam um peso total de 126 toneladas, e que conseguem aguentar abalos sísmicos de magnitude 6 na escala Richter. A ponte também pode suportar furacões que apresentam força 12, o mais forte na Escala de Beaufort.

A mais nova ponte chinesa foi construída para suportar o peso de mais de três mil visitantes, mas por motivos de segurança de todos os turistas, somente podem passar pela ponte seiscentas pessoas de cada vez, foi o que declarou à “CCTV” o diretor da empresa que realizou as obras, Yang Shaobo.

Segundo ele, diversos trabalhadores irão vistoriar todos os dias as condições da ponte. Os funcionários que fazem parte da segurança vão auxiliar os turistas que ficarem com medo de atravessar a ponte, que de acordo ainda com

Yang Shaobo, ela é totalmente sólida e segura.

Anteriormente a ponte mais extensa de vidro do planeta, era a que fica no  Parque Natural de Zhangjiajie,  possuindo 430 metros de extensão e que também fica em território chinês. Embora ela perca em extensão, esse local que serviu de inspiração para o filme “Avatar” e era onde ficavam as Montanhas Aleluia, ainda vai ser considerada a mais alta, já que essa ponte de Zhangjiajie fica suspensa a uma altura de trezentos metros.

Investimento em aplicativo gera 50 milhões de dólares em fretes por mês

Para investir em um negócio nem sempre o empreendedor precisa estar em uma situação que exija mudanças, esse é o caso de Carlos Mira, presidente-executivo da transportadora da família. Depois que ele conheceu o Vale do Silício no ano de 2011, viu as novas oportunidades que poderia encontrar no ramo de caminhões. Na sua visita ao Vale do Silício, juntamente com outros empresários curiosos, Mira entendeu a capacidade que a tecnologia tem para trazer facilidade para diversas operações e funções. O lugar das empresas que em pouco tempo valiam milhões de dólares chamou a atenção de Mira, então a partir dessa viagem veio a ideia da TruckPad, um aplicativo que conecta o caminhoneiro independente à carga.

O tema da palestra em que presenciou na Universidade de Stanford abordou o potencial que os smartphones podem ter para revolucionar os negócios, especialmente nas áreas de comunicação e economia. No momento da palestra, o empresário se recordou dos problemas para contratar caminhoneiros autônomos. Nos Estados Unidos os smartphones já estavam bem populares, no entanto, no Brasil o uso não era tão disseminado entre os caminhoneiros, que também não tinham interesse em obtê-los.

Depois de voltar da viagem, a ideia que estava borbulhando foi contada para o irmão, a intenção era melhorar a estratégia de entregas da empresa, no entanto, a nova ideia não foi bem recebida, o que fez Mira sair com sua parte da empresa para apostar nessa nova visão como empreendedor.

As ideias de Mira estavam a todo vapor para fazer o TruckPad ser um sucesso, com o pouco conhecimento que tinha na área de tecnologia ele foi buscar por mais. Com o auxílio do Edson Rigonatti, da Astella, ele teve as orientações necessárias para se guiar nessa nova vertente do empreendedorismo, além disso, tanto livros como pessoas influentes na área foram apresentadas a Mira.

Depois de alguns testes com caminhoneiros, ele teve um resultado satisfatório para apresentá-lo aos possíveis clientes. Hoje o TruckPad possui aproximadamente 500 mil downloads, com mais de 8 mil empresas que utilizam o aplicativo, e são mais de 50 milhões de dólares em ofertas de fretes por mês.

 

Felipe Montoro Jens traz informações sobre a construção da Ferrovia Ferrogrão

Ao que tudo indica, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) fará em breve um leilão para a construção da Ferrogrão, também chamada por outras denominações, tais como EF-170 ou Ferrovia do Grão. O especialista em Projetos de Infraestrutura, Felipe Montoro Jens, reporta que se trata de uma obra de grandes proporções, uma vez que atravessará dois estados, Pará e Mato Grosso. Em relação à extensão do que se planeja conferir ao trajeto ferroviário, há a estimativa de que esta ultrapassará 1.000 km, transitando por áreas de floresta.

Felipe Montoro Jens ressalta que o governo estima que a concessão da Ferrogrão tenha um prazo de 65 anos. Ficou também decidido que o vencedor do leilão será aquele que ofertar o maior valor de outorga, que terá início com um lance de R$ 0,01, mas que deverá ser sucedido por outros lances muito maiores, esclarece o especialista em Projetos de Infraestrutura. Além de construir a ferrovia, a concessionária vencedora responderá pelas atividades de operação da ferrovia.

Para que os planos da ANTT sejam postos em prática, já começaram os estudos para análise das condições de viabilidade da obra. Este e outros empreendimentos são parte integrante do Programa de Parceria de Investimentos (PPI), promovido pelo governo federal. No caso da Ferrogrão, o montante a ser investido é de pouco mais de R$ 12 bilhões, dadas as grandes proporções da obra. Felipe Montoro Jens destaca que o retorno sobre o investimento, por sua vez, virá das atividades de exploração da ferrovia.

O valor investido, conforme informações contidas no portal do PPI, não se restringirá apenas à construção da nova ferrovia. Segundo informa o programa governamental, o investimento deverá contemplar também os serviços de desapropriações, terraplanagem, sinalizações da área, compra de materiais, contratação de mão de obra, além de outras ações específicas. Com isso, estima-se que as construções suscitem uma grande movimentação econômica na região que abrigará a Ferrogrão.

Em 2018, ainda no primeiro trimestre do ano, espera-se que o edital seja publicado e traga todos os trâmites que farão parte do processo de concessão. Felipe Montoro Jens informa que, até o momento, o que se sabe é que a incumbência pelo sistema de remuneração dos agentes que atuarão na construção da ferrovia ficará a cargo da empresa vencedora do leilão, bem como todos os riscos que o empreendimento poderá correr em seu curso.

Embora ainda se trate de um projeto, especialistas realizaram alguns estudos acerca do potencial de operação da Ferrogrão. Dentre os dados levantados, apurou-se que a ferrovia será capaz de transportar cerca de 25 milhões de toneladas de cargas que atravessarão o local anualmente. Felipe Montoro Jens pontua que o volume de transportes poderá sofrer sucessivos aumentos até o ano de 2050, quando se espera que atinja seu ápice.

 

Brasil é o país mais caro para comprar um iPhone X

Ainda sem uma data de lançamento no Brasil, o iPhone X, aparelho mais atual da Apple, é um dos principais e mais esperados lançamentos da marca. Com o preço que é cobrado pelo aparelho o país alcança a primeira posição de mais caro do mundo. Até o fim de outubro o país com o iPhone mais caro da lista era a Hungria, mas perdeu uma posição para o Brasil quando os valores foram atualizados.

Uma das causas do alto valor dos smartphones da Apple é a alta carga tributária sobre dispositivos eletrônicos como os da marca. Visto com um aparelho de luxo, o novo smartphone se tornou somente acessível a uma determinada classe social da sociedade. As pessoas que desejam comprar o novo iPhone X precisam contar uma boa renda.

Depois da Hungria que vende o aparelho 400 dólares mais caro que nos EUA, quem segue na lista são os países: Dinamarca, Suécia e Itália são os países que também se encontram entre os primeiros da lista de mais caros para comprar um iPhone X.

O alto valor do lançamento da Apple explica porque a empresa não tem um público amplo no Brasil, o que reduz o nível de vendas e a participação do mercado. Em uma pesquisa realizada pela consultoria Gartner, apenas 5,3% dos smartphones vendidos no país são da Apple. Desde o ano de 2011, época em que lançava o iPhone 4S, a participação da empresa no mercado nacional está caindo, foram quase cinco pontos percentuais até o momento.

A alta taxa de impostos é o fator que encarece os produtos da Apple que se tornam mais caros que nos países desenvolvidos, afirma Tuong Nguyen, analista de pesquisas da Gartner.

Por estar tão caro, os produtos da Apple apenas atraem o público das classes A e B no Brasil, o que enfraquece a participação da empresa no mercado se for feita uma comparação com empresas como a Samsung, com uma maior oferta de aparelhos acessíveis para diferentes tipos de público. Muitas vezes adquirir um produto como o iPhone X fora do país se torna mais vantajoso para o consumidor.

 

Encontro no Rio de Janeiro aborda indicadores ambientais e Agenda 2030

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, recebeu representantes de institutos nacionais voltados para estatística e ministérios do meio ambiente dos países que fazem parte do Caribe e da América Latina. Na reunião, eles discutiram questões sobre o ODS – Objetivo de Desenvolvimento Sustentável, acesso a dados e informações ambientais e cooperação junto a parcerias firmadas.

O encontro foi em um workshop realizado no Rio de Janeiro no dia 15 de dezembro de 2017, que teve o incentivo da ONU Meio Ambiente – Organização das Nações Unidas Meio Ambiente – e da Cepal – Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe, junto ao MMA – Ministério do Meio Ambiente.

O encontro teve início com a participação de Roberto Olindo, presidente do IBGE, junto a Wadih Scandar Neto, diretor de Geociências, e representantes do Cepal, do Ministério do Meio Ambiente e da ONU Meio Ambiente. Um número de 50 representantes deixaram suas opiniões e compartilharam sua ideias, desafios, na luta a favor de melhores resultados para o meio ambiente, durante o evento que prosseguiu por cinco dias.

“Quando tratamos de informação ambiental, uma das questões centrais é a colaboração entre instituições. Uma das características é a diversidade das formas de obter informações primárias: direta, remota, por satélite. Existe uma diversidade de formas de obter e de cada instituto produzir suas estatísticas. Esse encontro tem o mérito de integrar os órgãos. Estamos seguros que com a cooperação é possível. Acho que vamos chegar a um bom resultado. Há várias iniciativas para produção de dados e indicadores. Para todos os países é um desafio muito grande conseguir monitorar os ODS”, explicou Wadih.

Esse encontro é mais um grande passo para que novas políticas e formulação de melhores indicadores possibilitem um monitoramento mais preciso do cumprimento das 169 metas direcionadas aos 17 ODS determinado pela ONU. Esses indicadores são essenciais para que os países participantes consigam saber em que estágio do cumprimento da Agenda 2030 se encontram. Esse encontro também tem como objetivo a oportunidade de difundir cada vez mais as ideias sobre o meio ambiente e suas questões. Conseguir fazer com esses dados sejam padronizados e cheguem em um denominador comum, é um dos principais objetivos.

 

Beneficiários do Bolsa Família têm melhor frequência escolar desde 2007

Dos 13 milhões de alunos que recebem o Bolsa Família e o acompanhamento da rede municipal e estadual de ensino, 95% estão com a frequência escolar em dia nos meses de agosto e setembro deste ano. Esse é o segundo melhor resultado no período desde 2007, segundo informações do Ministério do Desenvolvimento Social, em 2017 até o momento.

Uma grande parte dessas crianças tem pais analfabetos ou semianalfabetos e essa não pode ser uma condição punitiva. “São famílias que precisam do apoio do Estado para que as próximas gerações tenham melhores condições de escolarização. Muitas vezes as crianças dessas famílias repetem ou abandonam, desistem da escola. Todos têm que ter uma trajetória escolar regular e essa iniciativa apoia, nesse sentido, visando ao acesso e à permanência na escola”, disse o diretor de políticas de educação em direitos humanos e cidadania da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão do MEC, Daniel Ximenes.

Os alunos acompanhados fazem parte dos condicionados no programa do Bolsa Família que assumem compromissos com o poder público. O objetivo é estimular as crianças a terem acesso a educação e permanecerem nas escolas e com isso colaborar com as famílias na quebra do ciclo de pobreza, explica o diretor do Condicionalidades do ministério, Eduardo Pereira. “Acreditamos que esses resultados mostram a eficácia do programa em manter as crianças na escola. A progressão escolar, que decorre da frequência escolar, leva a criança a se tornar um adulto mais instruído e com capacidade de se inserir na sociedade de forma produtiva”, ressalta Eduardo.

De acordo com o ministério, há casos de crianças que não tem a sua frequência escolar acompanhada devido a troca de instituição de ensino ou de cidade sem a informação chegar a rede de educação. É de extrema importância que as famílias comuniquem as escolas que os filhos são beneficiários do programa e que mantenham o Cadastro Único sempre atualizado quando tiver alterações de escola e endereço.

Existem outras regras que são estabelecidas para os beneficiários do programa Bolsa Família, tais como a vacinação que deve estar sempre em dia, o acompanhamento médico das crianças e, no caso das gestantes, deve haver um acompanhamento do pré-natal. Quando o bebê nasce, as mamães devem participar das atividades educativas sobre o aleitamento materno e a sua importância.

 

800 mil litros de azeite impróprio são retirados do mercado pelo Governo

O Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento, retirou do mercado cerca de 800 mil litros de azeite inadequados para o consumo com sinais de modificações em 64 marcas de 84 empresas brasileiras.

Os testes realizados apresentaram um azeite não refinado e outros tipos continham de óleo não permitidos na legislação, como o de soja. Entre os meses de abril a novembro deste ano, foram inspecionadas 76 marcas e realizadas 240 ações fiscais no país, segundo informações da auditora fiscal federal agropecuária, Fátima Parizzi.

O Laboratório Nacional Agropecuário, Lanagro, laboratório oficial do Ministério no Rio Grande do Sul recebeu as amostras coletadas. Do total enviado, 33 apresentavam os padrões de qualidade que são estabelecidos no Mapa, e outras 43 estavam fora dos padrões. O produto teve sua comercialização suspensa no mercado.

Além da qualidade relacionadas ao produto, os rótulos também tiveram irregularidades e continham informações incorretas quanto a composição do produto, que causou a retirada de 380 mil litros de circulação no mercado. As informações foram repassadas aos Ministérios Públicos Estaduais e Federais.

Até o momento foram assinados 4 Termos de Ajustamento de Conduta no Paraná. Nos outros estados o processo está em andamento para as corretivas.

A orientação do Ministério aos consumidores é para que fiquem atentos a denominação de venda do produto que vem escrito no rótulo frontal, devido as empresas induzirem o consumidor a errar.

A escrita azeite de oliva aparece em destaque, porém nas letras miúdas contém as informações se eles são mistos ou contém temperos e molhos.

Outra orientação é quanto ao preço, pois um frasco de azeite puro dificilmente custa menos que dez reais. As informações sobre a qualidade do azeite virgem devem estar a vista no rótulo, podendo ele ser virgem ou extravirgem.

O azeite de oliva quando descrito composto, é porque existe a mistura de azeite de olivas virgem ou refinado porém o rótulo deverá constar essa informação.

 

Sem concorrência Instituto Biológico completa 90 anos com a produção triplicada

Os 200 empregados do Instituto Biológico estão em festa no mês de dezembro, quando a instituição mais respeitada em centro de pesquisa para o agronegócio brasileiro completa 90 anos. Sua sede fica localizada na zona Sul de São Paulo, com um foco de trabalho na fabricação de tubos de antígenos com diversas finalidades. Eles são injetados nos animais vivos para detectar doenças como infecção por Brucelose e tuberculose, e outras doenças que atacam as articulações. Essas doenças incuráveis acabam levando os animais ao abate devido a sua contaminação e transmissão fácil.

As estimativas são de que cerca de duas moléstias sejam as responsáveis na perda de R$ 1 bilhão ao produtores rurais no país, sendo cerca de 1% da produção pecuária total do país, ou seja, R$ 167 bilhões.

A doença se não diagnosticada corretamente pode comprometer as exportações de carnes do Brasil para outros países, um mercado que movimenta bilhões de dólares todos os anos.

O país que mais compra carne do Brasil, é a China, sendo Hong Kong a cidade da China que mais compra carne brasileira. O país costuma rejeitar as carnes de animais doentes.

O mês que é comemorado o aniversário do Instituto coincide com a alta na produção e a expectativa é de que até o final de 2017, mais de 12 milhões de doses do antígeno sejam produzidas, o triplo produzido em 2016.

O Brasil tem a falta de empresas que forneçam esses serviços, segundo o diretor do Instituto, Antonio Batista Filho. “Somos atualmente o único centro de pesquisa no país que faz o serviço completo, ou seja, produz diagnósticos capazes de analisar essas doenças em animais vivos e também nos abatidos”.

A produção local teve que ser ampliada para que as exportações brasileiras de proteína animal não acabassem com a exclusividade na fabricação do Instituto Biológico. A direção multiplicou por 30 a capacidade de produção dos tanques de fabricação, desde janeiro, que atualmente é de 300 mil litros a cada semestre sem contar com nenhum equipamento novo. O valor das doses não aumentou por enquanto, mas a estrutura fez com que fossem realizados investimentos já planejados, como a diversidade de antígenos para outras doenças fiquem de fora do plano Instituto no momento.

O bom desempenho é comemorado até o momento, mesmo em meio a falta de estrutura técnica a pecuária no país.

 

Tubarão de 300 dentes é capturado por engano na costa portuguesa

Alguns biólogos marinhos quando encontraram em uma rede de pesca, um animal que eles nunca tinham visto anteriormente, eles logo reconheceram que podia se tratar de um animal totalmente incomum. Essa espécie possui um crânio arredondado e incríveis trezentos dentes afiados, sendo essas algumas das características observadas em animais predadores.

Depois de estudar atenciosamente o animal, eles concluíram que se tratava de uma espécie chamada de Chlamydoselachus anguineus, conhecida pelo nome popular de tubarão-enguia, uma espécie que já era encontrada na era pré-histórica e pouco conhecida dos cientistas.

O animal acabou ficando preso em redes de pesca por engano próximo da costa portuguesa, na região do Algarve.

Essa espécie de tubarão-enguia, apesar de ser considerado atualmente um verdadeiro “fóssil vivo”, ele pode ser encontrado em diversas regiões do planeta, como indo da Espanha ao Japão, de Angola ao Chile e da Guiana à Nova Zelândia.

Mas os pesquisadores desconhecem os costumes mais comuns desses animais, e também a quantidade existente deles pelo mundo. Eles habitam as águas mais profundas dos oceanos, dificultando dessa forma o seu monitoramento.

Esse animal foi capturado em uma rede colocada a 700 metros abaixo da superfície do Oceano Atlântico, na costa portuguesa.

A professora e pesquisadora da  Universidade de Algarve,  Margarida Castro, disse que essa é a última espécie existente de uma linhagem de tubarões, que já foram totalmente extintos.

Alguns pesquisadores acham que esse animal viveu na era

Jurássica tardia. Ele pode ser ainda mais novo, mas mesmo assim, ele possui vários milhares de anos de existência, habitando o planeta bem antes da raça humana.

A pesquisadora é integrante do programa MINOUW, uma ação que procura diminuir o desperdício de espécies que são rejeitadas por barcos de pescas da Europa, sendo necessário a presença de alguns pesquisadores dentro de um navio utilizado para pesca comercial.

A maior parte dos tubarões apresenta o crânio chato, e esse animal capturado possui a cabeça arredondada. As barbatanas e o resto do seu corpo deixam claro que pertencem a um tubarão, e não ao corpo de uma enguia.

Mas de acordo com Margarida Castro, o diferencial mesmo nesse animal são os trezentos dentes, muito finos e afiados.

 

A importância do uso do Analytics pelas empresas – por Rodrigo Terpins

 

Resultado de imagem para analytics

A popularização das novas abordagens tecnológicas tem modificado o comportamento do cliente, que busca mais informações antes de fechar a compra. O que exige dos gestores um acompanhamento maior durante todo o processo de compra. Dessa forma é possível adaptar-se e oferecer uma experiência de compra adequada ao seu padrão de consumo.

O mercado competitivo criou demandas por recursos capazes de trazer um diferencial para a marca, de modo que o monitoramento de dados se torna indispensável. E foi esse o tema abordado pelo Analytics, evento que trouxe os principais varejistas do país no início de outubro deste ano. Quem reporta o assunto é Rodrigo Terpins.

O painel de discussões foi intitulado “O analytics como vetor de transformação e inovação do varejo.” O encontro, realizado pela revista NOVAREJO e a Unisys, companhia que oferece soluções em TI contou com nomes como Jacques Meir, André Almeida, Eloi Assis, entre outras autoridades de diferentes áreas.

Rodrigo Terpins destacará alguns dos subtemas discutidos na mesa como a fala de Jacques Meir, da NOVAREJO, que reforçou a importância de discutir a análise de dados, sobretudo no momento em que se passa o varejo brasileiro. “Durante décadas a gestão do varejo brasileiro foi feito por meio de dedo. E foi 100% assim até surgirem os dados”. Segundo ele o CRM e outras ferramentas de análise de dados podem substituir perfeitamente a intuição dos gestores na tomada de decisões.

Rodrigo Terpins também destaca o posicionamento de André almeida, vice-presidente da Vertical Commercial. Segundo o executivo mesmo com o início da retomada econômica, os recursos destinados a melhorias internas ainda não são semelhantes ao período pré-crise. Almeida acredita que em períodos que exigem somente investimentos prioritários, a inovação não pode ficar em segundo plano. Ele ressalta que é as informações do passado não refletem o comportamento do cliente atual e o do futuro.

A Amazon, por exemplo, é um dos grandes varejistas que utiliza analytics em seu planejamento estratégico, pontua Rodrigo Terpins. A ferramenta permite que a empresa use os dados coletados para disponibilizar ofertas mais assertivas aos seus consumidores, o que aumenta as vendas e o índice de satisfação dos clientes.

A Ri Happy foi outra que buscou nos dados o diferencial, contudo sua implementação não foi tão rápida. Seu departamento de TI demorou alguns meses para conseguir estabelecer o serviço de apuração e análise. Rodrigo Terpins destaca a fala de Eloi Assis, CIO da companhia “O analytics começou a pegar na Ri Happy quando o nosso diretor de operação viu valor nos dados”. Ela informou que a Ri Happy utiliza os dados diariamente, coletando, analisando e enviando inputs aos gerentes das unidades em tempo real.

Também falou a gerente de atendimento ao cliente da Magazine Luiza, Beatriz Menezes. Segundo ela a empresa, que tem quase 20 anos no mercado digital, os dados estão sendo levados aos funcionários da loja. Lá eles conseguem ver o que os clientes buscaram no site e no aplicativo, e assim, conseguem fazer propostas mais assertivas que se traduzem em vendas.